Mesa Redonda: Formação: Que Futuro?

Home / Notícias / Mesa Redonda: Formação: Que Futuro?

PatriciaValente

Moderadora: Patrícia Valente Human Resources Manager
ALLIANCE HEALTHCARE

Quem detém, ou pode deter, as competências sólidas para marcar a diferença num mercado tão competitivo são as pessoas. Pois, tudo começa nas Pessoas! Ora, coloca-se então a questão: que estratégias de formação e desenvolvimento das pessoas permitem apoiar as empresas neste caminho do desenvolvimento sustentado? A resposta a esta e outras questões passa pela transformação das empresas em organizações que aprendem, ou seja, organizações de permanente abertura à inovação, à mudança e ao conhecimento, organizações em procura de melhoria contínua, que promovem e adotam as melhores práticas de formação e desenvolvimento de competências, que compreendem o paradigma da mudança, que questionam o status quo e que reconhecem que o investimento na formação tem que se traduzir em níveis maiores e melhores de eficiência dos recursos humanos. Nesta mesa redonda vamos conhecer boas práticas desenvolvidas nesta área, nomeadamente casos em que a formação, nas suas diferentes formas, claramente contribui para o desenvolvimento da organização.

Entrevista ao orador:

1. Quais as principais dificuldades com que a sua empresa se depara ao nível da qualificação dos colaboradores?

2. Qual a estratégia atual da sua empresa relativamente às soluções formativas que procura?

3. Com que modalidades formativas obtém resultados mais eficazes?

PauloLopes

Orador: Paulo Lopes Responsável pelo
Planeamento da Formação CTT

1. Manter atualizadas e em consonância com os desafios estratégicos da empresa, as competências dos trabalhadores. Devido à dimensão, qualquer programa formativo tem que ser pensado faseadamente, nomeadamente no que respeita à manutenção da qualidade de serviço assegurada habitualmente pelos trabalhadores a quem se pretende dar formação.

2. Centrada essencialmente na resposta aos desafios estratégicos da empresa, ao serviço de cada área de negócio. Em cada programa formativo, apostar na qualidade e inovação da oferta e operacionalizá-lo da forma mais alargada e eficiente.

3. Não conseguimos identificar se há modalidades formativas mais eficazes. O que se verifica é que os resultados são mais evidentes nos programas formativos em que, à partida, há clareza na definição dos resultados a alcançar (redução da sinistralidade e de consumos, incremento de vendas de produtos concretos, sensibilizar os trabalhadores para as políticas da empresa traduzindo-as em comportamentos que viabilizam o sucesso em auditorias de certificação, desenvolver competências de liderança e de gestão que influenciam KPI’s,…). É quando são desenhados os cursos e programas que se deve apostar nesta definição e as modalidades mais adequadas são identificadas face à dimensão da população a abranger, ao tipo de competências a desenvolver, conteúdos a transmitir e à premência dos resultados a obter. A conjugação de modalidades tende a potenciar a obtenção dos resultados.

Related Posts

Leave a Comment